Parece bizarro chamar um artista com uma carreira musical de dez anos, milhões de vendas de discos e mais de quatro bilhões de visualizações  de “subestimada”, mas, estranhamente, esse parece ser o caso de Lovato – uma hitmaker em série com uma voz que merece a mesma aclamação de nomes como Adele e Kelly Clarkson. Mesmo que um ouvinte de música casual saiba quem ela é, eles provavelmente não sabem quanto de talento ela possui. Ela está chegando lá, no entanto.

Dez anos após o lançamento de “Camp Rock”, o filme que a colocou em sua trajetória atual, ela ainda está em ascensão; e na The O2 Arena, ela sobe ao palco como uma líder de paradas: “Solo”, sua colaboração com Clean Bandit, atualmente está no topo da parada de singles do país, e no ano passado, “Sorry Not Sorry” deu a ela sua melhor performance na Billboard Hot 100.

A arena explode com energia quando ela executa os dois; e a atmosfera de sentir-se bem percorre os gostos de Instruction, “Sexy Dirty Love” e o destaque do álbum, “Daddy Issues”, também. Claro que o foco é mais no álbum atual do que no catálogo de antigo, mas ainda há espaço para os clássicos: “Cool For The Summer”, “Heart Attack” e “Give Your Heart A Break” – três das melhores músicas pop da década – todos têm uma chance de brilhar, e há espaço para a emocionante faixa 2013 do álbum “Warrior”; uma poderosa balada de piano sobre tempos difíceis e resiliência. Mas são as coisas mais novas que dão a ela uma chance de realmente mostrar suas proezas vocais: os gostos de “Concentrate”, “Cry Baby” e “Lonely” não apenas exibem uma habilidade técnica impressionante, mas também um alcance emocional. Quando ela declara “Now I’m f**king lonely, and you didn’t want me” no refrão deste último, está absolutamente pingando de mágoa. Realmente ela percorreu um longo caminho a partir do vertiginoso pop-rock da Disney.

Fonte: Express UK
Tradução: BC